Agripino sugere pacto de convivência entre parlamentares para encontrar soluções para a seca no RN

Mesmo durante a discussão tumultuada, no plenário Senado, das medidas provisórias que propõem mudanças trabalhistas devido ao ajuste fiscal, o senador José Agripino (RN) fez questão de participar, na noite desta terça-feira (26), da reunião da bancada federal do Rio Grande do Norte com os mais 40 prefeitos potiguares que estão em Brasília participando da 18ª Marcha em Defesa dos Municípios.
No encontro, Agripino sugeriu que se forme um pacto de convivência entre os parlamentares do estado para pressionar os governos federal e estadual por soluções para combater, de maneira efetiva, a seca no Rio Grande do Norte.
“Já fiz três pronunciamentos no Senado com questões pontuais sobre a seca em algumas regiões, mas a situação vai se generalizar por todo o estado. Por isso, quero sugerir um pacto de convivência para estabelecermos uma rotina de trabalho de comunicação com todos os parlamentares potiguares para somarmos nossa capacidade de pressionar. Porque não consigo imaginar o que vai ser do Rio Grande do Norte do mês de julho para frente”, destacou.
O parlamentar potiguar também sugeriu que seja debatida não somente com servidores públicos, mas com os prefeitos, toda votação de piso salarial que afete diretamente a receita das prefeituras. “É claro que não vamos votar nada que prejudique o trabalhador e seus direitos. O que sugiro é um diálogo com os prefeitos do nosso estado para que eles tenham uma relação direta com a bancada parlamentar do RN para ouvirmos o que eles têm a dizer sobre aumento de despesa. Ou seja, proponho estabelecer um diálogo honesto tanto com o servidor, que tem direito ao benefício, quanto com o prefeito, que irá pagá-lo”, concluiu o presidente nacional do Democratas.
O encontro dos parlamentares com os prefeitos foi proposto pelo presidente da Federação dos Municípios do RN (FEMURN), Silveira Júnior, em acordo com o coordenador da bancada federal do Rio Grande do Norte, deputado Felipe Maia (DEM).

Faça um comentário, sua opinião é muito importante para nós.