Audiência cobra melhor atendimento para crianças autistas

Em audiência pública realizada na manhã de hoje (07), pais e profissionais cobraram melhorias no atendimento à saúde e educação das crianças com transtorno mental e transtorno do espectro autista. A audiência foi proposta pelo vereador Sandro Pimentel (PSOL), dando continuidade às discussões iniciadas em uma audiência anterior que foi realizada no ano passado. O autismo é um transtorno de desenvolvimento que geralmente aparece nos três primeiros anos de vida e compromete as habilidades de comunicação e interação social.
A situação relatada é de que a realidade não mudou. No único Centro de Atenção Psicossocial Infantil (CAPS I), o Município tem deixado a desejar na questão da infraestrutura para atender as crianças. Duas salas que deveriam estar disponíveis para o atendimento no CAPS estão lotadas de entulhos e papéis, além da piscina que está inutilizada pela falta de uma bomba para circular a água. A coordenadora da Associação Amigos CAPS I, Liliane Monteiro, que é mãe de uma criança autista, disse que o há uma grande dificuldade nas escolas para a efetiva inclusão, além da falta de tratamento adequado nas unidades de saúde. “A avaliação multiprofissional é essencial para o tratamento e as crianças, se atendidas e estimuladas na infância, quando adultos necessitaram menos do tratamento”, destaca a coordenadora.
A Chefe do setor de Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação, Suedna Varela, disse que o município atende a 120 crianças autistas nas escolas e centros infantis, além de 1100 alunos com necessidades especiais e que o atendimento está sendo aprimorado com a capacitação dos profissionais da educação. “Temos 42 salas multifuncionais e mais 10 para abrir, além do transporte escolar desses alunos. Estamos promovendo formação, minicursos, assessoramento pedagógico, convênios e parcerias com entidades e instituições, afim de prestar melhor o atendimento”, explica Suedna. Da secretaria de Saúde do Município, foi enviada para a audiência a coordenadora de saúde mental da pasta.
A vereadora Júlia Arruda (PSB) também acompanhou a audiência e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) está participando das discussões. “Cumprindo nosso papel, vamos intermediar o diálogo com as partes para a melhoria do atendimento a estas crianças. A comissão de Saúde da OAB está atenta desde que as discussões em torno desse assunto começaram aqui na Câmara tanto no que se refere ao diagnóstico precoce, quanto ao atendimento especializado dos entes públicos”, declara a presidente da Comissão de Saúde da OAB, Mayara Acipreste.
O vereador Sandro Pimentel encaminhou uma reunião com o secretário de Saúde, Luiz Roberto Fonseca, a fim de buscar soluções para que seja oferecido melhor atendimento as crianças autistas. “Agendaremos em caráter de urgência para que os compromissos já assumidos sejam cumpridos. Além disso, estamos lançando uma campanha para ajudar financeiramente na infraestrutura do CAPS mesmo sendo deve do município”, anunciou o parlamentar. Por meio da Conta do Instituto Iris (Agência 4301-x, Banco do Brasil, conta 8858-7/Instituto Iris) que trabalha com crianças autistas, qualquer pessoa pode doar valores em dinheiro e ajudar a comprar a bomba para a piscina do CAPS I, contudo, antes que a audiência terminasse, uma mãe telespectadora da TV Câmara, que transmitia a audiência anunciou a doação da bomba, com isso, o dinheiro arrecadado poderá ser utilizado para outros custos com o serviço do CAPS I.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.