Consultor alerta para importância da Gestão de Rede de Suprimentos

Como parte da programação em comemoração aos 45 anos do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), a Instituição em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizou, nesta segunda-feira (04), a Palestra “Gerenciando Rede de Suprimentos: Uma abordagem prática”, com o Professor Doutor Henrique Luiz Correa, especialista na área que reside nos Estados Unidos e ministra palestras em vários países sobre o tema.
A solenidade foi aberta pelo Diretor da FIERN, Djalma Barbosa Cunha Junior, que enfatizou a importância do trabalho do IEL. “O Instituto tem um papel importante nas indústrias do Brasil e esse tema está totalmente relacionado com os processos produtivos das empresas, seja de produtos ou de serviços”, afirmou.
Já o Professor Mário Orestes, coordenador do Curso de Especialização em Gestão Industrial IEL/UFRN, que fez a apresentação do palestrante mostrou-se surpreso com a casa cheia. “É uma emoção ver a Casa da Indústria lotada nesta noite, a nossa escolha pelo palestrante, além do seu preparo intelectual e empírico, é que ele consegue fazer a ponte, a ligação entre academia e indústria”, afirmou.
De acordo com a Superintendente do IEL, Maria Angélica Teixeira, o tema não poderia ser melhor. “Esse tema é importantíssimo no contexto econômico atual por tratar da Rede de Suprimentos, que é um produto ou serviço que passa, desde a matéria-prima, ou processo, até a distribuição. Trouxemos um conceituado consultor que ensina e insere, nesta noite, aos participantes sobre a realidade no cenário atual e abre portas para que indústrias melhorem sua gestão”, disse.
Angélica confirmou suas palavras no que se refere ao interesse no tema, com o Auditório Albano Franco Lotado, o conferencista fez uma ambientação sobre o assunto, de forma clara, prática e objetiva. Referiu-se ao trajeto do produto ou serviço, desde sua criação até sua distribuição, e explicou como uma rede de suprimentos, inclusive relacionando com a terceirização, afeta a competitividade das empresas.
  “Como aumentou muito a terceirização, cada vez mais as empresa se concentram em poucas atividades e terceiriza o resto, as atividades que eram feitas antes dentro das organizações, agora são feitas por terceiros. Então a grande questão é como gerir esses terceiros, de forma que eles trabalhando com as empresas, façam parecer que a empresa continua sendo uma só? A rede de suprimentos nessa abordagem que trazemos aqui é para deixar de olhar apenas para a empresa individual e olhar para o conjunto de empresas e as interfaces entre elas”, explicou.
Sobre como o Brasil e o RN estão em relação a outros países por onde ele passou em relação a redes de suprimentos ele respondeu que não está muito diferente. “Apesar do Brasil ainda ser um país de contrastes, por ter multinacionais e pequenas e micro empresas em grande número, que geram empregos, estamos no rumo certo. As grandes empresas estão mais afinadas com esse movimento de rede de suprimentos que já tem uns 20 anos, as empresas menores, geralmente, ou elas vão a reboque das maiores, porque são fornecedoras dessas empresas, e elas abraçam esses conceitos induzidas pelas grandes, ou elas são independentes. Estas ainda não estão aproveitando todo o potencial dessa nova técnica. E esse é o cenário que se vê aqui e também em outros países”, finalizou.
Durante o evento, o IEL/UFRN anunciaram a realização do II Curso de Especialização em Gestão Industrial, que terá início em julho de 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.