Idosa receberá valores descontados indevidamente e em dobro de aposentadoria

O juiz Marcus Vinícius Pereira Júnior, da Comarca de Cruzeta, condenou o Banco Bradesco S/A. a pagar a uma idosa a quantia de R$ 11.820,00, referentes aos danos morais suportados por ela por descontos realizados indevidamente em sua aposentadoria.
Ele condenou também o banco a pagar o valor de R$ 1.209,18, devidamente corrigido, referente ao ressarcimento dos valores descontados indevidamente, em dobro, nos termos do artigo 42, parágrafo único, do Código de Defesa do Consumidor.
O magistrado determinou, por fim, que a instituição financeira se abstenha de realizar novos descontos no benefício da aposentada em relação ao empréstimo consignado feito no nome dela e que é objeto da ação judicial.
A idosa ingressou com ação judicial em desfavor de Banco Bradesco S/A, requerendo liminarmente a suspensão dos descontos junto à sua aposentadoria. Ela garantiu que teve parcelas de empréstimo consignado descontadas em duplicidade e, por isto, sofreu prejuízo de ordem financeira que lhe causou abalos emocionais.
Diante de tal situação, o juiz Marcus Vinícius declarou a ilegalidade da conduta praticada pelo banco, ao descontar de maneira indevida – considerado o desconto já realizado em folha pelo INSS, por se tratar de empréstimo consignado – em duplicidade, as parcelas oriundas de operação bancária realizada junto à Bradesco.
O magistrado acrescenta que caberia à empresa juntar aos autos documentos que comprovassem uma possível necessidade em realizar tais descontos, isso em razão da inversão do ônus da prova, o que não foi feito. “Motivo este, pelo qual, entendo serem indevidos os valores descontados em duplicidade, não havendo nenhuma legalidade nos mesmos”, decidiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.