Pesquisa IPDC traça perfil do turista que visita Natal

Paulista, homem, com bom poder aquisitivo, que gasta, em média, R$ 210 por pessoa por dia na cidade e que pretende voltar. Esta é a síntese dos visitantes da capital potiguar em janeiro

Janeiro é mês de alta estação e o Rio Grande do Norte foi ocupado por turistas, que vieram  ao estado em busca de conhecer e aproveitar as nossas inúmeras belezas naturais. Mas, quem é este turista? Como e porquê ele decidiu vir para cá? Quanto gastou? O que achou do destino? Foi para responder a estas perguntas que o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC), ligado à Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio Grande do Norte (Fecomércio RN), realizou um levantamento no qual ouviu 403 destes turistas, no período de 13 a 20 de janeiro passado. O resultado do levantamento, é um raio-x atualizado do perfil destes visitantes, que são molas motrizes da nossa economia.
O objetivo da pesquisa é auxiliar, com os dados coletados, o planejamento estratégico do segmento turístico do RN, dando um norteamento às decisões e projetos do segmento. Características como perfil, forma de viagem, interesses, demandas e avaliações dos turistas que visitam Natal e o Rio Grande do Norte como um todo, foram a base da pesquisa, que também dimensionou a receita gerada pelo turismo.
Segundo o estudo, entre nossos visitantes de janeiro, 57,7% dos entrevistados eram homens que vieram para o estado com familiares e amigos, visando o turismo de lazer. Grande parte dos visitantes vinham da região Sudeste, dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Turistas moradores do Distrito Federal e Pernambuco também conheceram o Rio Grande do Norte neste período. Os turistas internacionais chegaram ao RN por São Paulo e Rio de Janeiro.
A pesquisa constatou a permanência do turista por, em média, nove dias, desembolsando um total (incluindo a passagem), de R$ 7.034,74, para um grupo três pessoas. No estado, com gastos de hospedagem, alimentação, transporte, diversão e compras, o visitante deixou, em média, R$ 5.694,93 (descontando o gasto com passagens). Os números mostram que, em média, cada turista deixou, por dia, R$ 210,92 no estado, incluindo gastos com hospedagem, compras, alimentação e lazer. O estudo também mostrou que, em média, as viagens foram planejadas com seis meses de antecedência.
Da totalidade, 64,5% visitaram o estado pela primeira vez, indicados, na maioria, por amigos e familiares, e os outros 35,5% já conheciam o Rio Grande do Norte. Os turistas elogiaram as belezas naturais do estado (98,7%) e avaliaram como normais, os preços aqui taxados (54,6%).
Na avaliação sobre o Rio Grande do Norte e os serviços oferecidos, o que mais agradou os turistas foram: guias de turismo (94,4%), hospitalidade do povo (93,3%), passeios oferecidos (93,2%), meios de hospedagem (92,1%), equipamentos de lazer (91,2%) e serviços da rede hoteleira (91,1%). Todos esses itens tiveram aprovação plena satisfatória, acima de 80%.
O transporte urbano coletivo foi o item que obteve o menor índice de aprovação (55,3%), seguido por limpeza pública (61%), segurança pública (68,8%), sinalização urbana e turística (69,4%) e comunicação (correios/fones/internet) (71,7%), desagradando os visitantes no Rio Grande do Norte. Outro ponto criticado pelos turistas que visitaram o estado foi a distância e acesso ao Aeroporto Internacional Governador Aluizio Alves, em São Gonçalo do Amarante, de responsabilidade do Governo do Estado. Porém, a estrutura do terminal aeroportuário foi aprovada por 86,8% dos entrevistados.
No final do levantamento do IPDC, é ressaltada a vontade do turista de voltar ao Rio Grande do Norte. Neste quesito, 42,9% afirmaram que se surpreenderam positivamente com estado e com sua estrutura e 86,6% querem voltar e conhecer mais cidades e belezas do estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.